Curso Brahman Yoga Vidya: Yoga Integral Original

 

Curso de Formação de Instrutores e Professores de  Brahman Yoga Vidya: O Yoga Original 

Sabedoria da CONSCIÊNCIA Plena –  Yoga Integral; 

(Prioriza-se as Teorias e Práticas Meditativas e afins – treinamento mental e despertar da consciência , auxiliadas por técnicas biopsíquicas do Yoga)

Brahman Yoga Vidya: Sabedoria da CONSCIÊNCIA e CONFRATERNIDADE PLENAS – Yoga Integral Original 

O propósito é o estudo da Sabedoria que promovem de Autoconsciência e Autorealização através da Meditação ou práticas meditativas  (podem também serem auxiliadas por práticas físicas, como posturas e movimentos para purificação do corpo, quando necessárias): Este curso é sobre o Yoga da Sabedoria da ‘Consciência’ (consciência plena ou pura) ou da  ’PLENITUDE’ – ou Sabedoria do Absoluto –  Brahman Yoga Vidya ou somente Brahman Vidya ou Suddha Vidya; Sabedoria Pura (a pureza ou claridade é a base da Consciência)

(obs: Brahman significa absoluto, é diferente de Brahma, um dos deuses da trindade hindu – além disso aqui neste curso a palavra Brahman esta realmente no lugar de ParaBrahman, ou Absoluto Supremo ou seja a PLENITUDE)

Curso Livre ou de Formação de Instrutores em Brahman Yoga Vidya; A Sabedoria da Consciência – O YOGA INTEGRAL Original

(Ênfase nas Práticas Meditativas, de controle da mente e despertar da consciência, com auxilio das práticas bioenergéticas para saúde corporal): 

Este curso é baseado em obras tradicionais da Sabedoria Perene – Suddha Sanatana Dharma  (a sabedoria original, pura dos Rishis e Budhas do oriente) priorizando a sabedoria original do  Yoga

Na origem esta sabedoria era totalmente integrada, não havia divisões em linhas, abordagens, escolas, mas isso acabou ocorrendo posteriormente (milenios depois), assim para fins educacionais devido a familiaridade e tradicionalidade, neste curso, sistematizamos estes ensinamentos de acordo com as linhas tradicionais que os adaptaram, porém o fazemos de forma integrada e recuperando conceitos mais originais e perenes perdidos ou deturpados. Por isso, este curso estuda-se e vivencia-se os caminhos do: Raja Yoga, Jnana Yoga, Bhakti Yoga, Karma Yoga, Yogacara  (Yogacharya, Yogachara ou Vijnanavada,  de Assanga / Maitreya), Vajra Yoga (com conceitos do Tantra original incluindo Prana Yoga -  os asanas, mudras etc usadas no posterior Hatha Yoga) e Gupta Vidya (vidya= sabedoria, gupta= oculta, preservada, guardada, escondida).

Brahman Yoga Vidya é a Sabedoria e Yoga Original  (Adi Vidya - Adi Yoga, MulaYoga), Yoga  Integral (Purnayoga), Yoga Síntese (Samyoga) ou SuddhaYoga (Yoga Puro) e se baseia nos ensinamentos da verdadeira grande SUDDHA DHARMA MANDALAM*, O Grande Círculo ou confraternidade de sábios, rishis, e sábias sacerdotisas, shaktis que viviam, trabalhando espiritualmente para auxiliar os seres e ensinar a verdadeira sabedoria universal no interior de cavernas em florestas e grutas discretas em partes remotas do Himalaia, principalmente na região de Ladakh, Kashimir, Srinagar, Pamir na Índia, há muito mais de 5000 anos. Engloba ensinamentos que posteriormente se nomeou de Yoga, Tantra (o original), Sri Vidya, tardiamente na sabedoria que derivou o Budismo (como sabedoria e não como religião).

Nesta Yoga prioriza-se estudos e práticas chaves (meditações e uso de imagens mentais) para a autoconsciência e autorealização plena, pois foca os conhecimentos mais avançados e indispensáveis para reflexão e meditação que leva aos insights necessário do despertar.

A prática física aqui é apenas como auxiliar para se conseguir a postura mais correta possível para ampliar os efeitos da meditação e para saúde corporal; ou seja é complementar, como no verdadeiro Yoga original.

Finalidade do curso:

. Compreender e aplicar os conhecimentos essenciais do caminho de libertação e iluminação para manter-se presente, perceptivo, plenamente consciente em todo o espaço tempo (lugar / momento) de sua vida, realizando o seu verdadeiro propósito desta sua jornada.

. Compreender e habilitar-se na arte da meditação (Samatha, Vipassana, Dharana, Dhyana, Imaginação diretiva e criativa - Imagens mentais  ou Imagery) para despertar e saúde física, mental e psíquica.

O curso compreende:

O Yoga da Consciência e Confraternidade Plenas: PLENITUDE: CONSCIÊNCIA E CONFRATERNIDADE INFINITAS

Módulos ou Partes e Níveis:

NOVA ESTRUTURA: fizemos algumas modificações na estrutura do programa, criando uma estrutura bem mais coerente a original, onde o conhecimento abrange um todo, para que seja entendido realmente a idéia, o propósito e a forma do Brahama Yoga Vidya e vai avançando para a essência do processo. Isso facilita a absorção do conhecimento, um entendimento  maior auxiliando muito mais nas práticas, melhorando o entendimento do ‘trabalho’ como um todo e propiciando a multiplicação com mais eficiência – principalmente no caso dos instrutores)

Nível Básico: Certificado de Instrutor de Brahaman Yoga Vidya – Yoga Integral  - 250 horas

Módulo I a III:  Ensinamentos essenciais gerais do Bhraman Yoga Vidya – Yoga Integral: (18 meses)

. Bases, fundamentos essenciais do Raja Yoga, , Bhakti Yoga, Karma Yoga, Jnana Yoga,  Vajra Yoga (incluindo Prana Yoga (Hatha Yoga) )

Nível Intermediário: Certificado de Instrutor de Brahaman Yoga Vidya – Yoga Integral – 400 horas

 Módulo IV a VI:  Ensinamentos Intermediários do Bhraman Yoga Vidya – Yoga Integral: (27 meses)

. Avançado de Raja Yoga, Bhakti Yoga e Jnana Yoga (com Advaita Vedanta);

. Ensinamentos intermediários do Vajra Yoga.

Nível Avançado: Certificado de Professor de Brahaman Yoga Vidya – Yoga Integral – 700 horas

Módulo VII a VIII: Ensinamentos Avançados do Bhraman Yoga Vidya – Yoga Integral:   (36 meses)

. Ensinamentos avançados do Vajra Yoga e Gupta Vidya;

. Ensinamentos basicos do Yogacara

. Mandala Yoga – Inclui Brahama Yoga Vidya Diksha – Sintonização de Iniciação do Brahaman Yoga Vidya.

 - Cadastro para o curso – Click no link: CADASTRO CURSOS NUMIN

Temas trabalhados no curso Brahman Yoga Vidya

A Sabedoria e O Sistema do Yoga

  1. - O Sanatana Dharma Sabedoria Perene, as escolas do Yoga e procedentes e A Sabedoria Iniciática: Sanátana Dharma, a verdade ou lei eterna – Sabedoria Perene – Yoga na literatura hindu, mitologia e cultura hindus, noções de sânscrito etc:
  2. - Os conceitos comuns da Sabedoria Perene e Iniciática:  A base dos conhecimentos para a mente meditativa ou desperta (Relação do yoga indiano com os conceitos correlatos chinês e tibetano (filosofia e prática) e conceitos similares de outras sabedorias antigas e iniciáticas)
  3. - Entendendo a Teoria e práticas de: Raja Yoga (Yoga Real – yoga óctuplo de Patanjali – síntese do yoga), Jnana Yoga (Yoga da sabedoria – conhecimento superior), Bhakti Yoga (Yoga da devoção, do amor), Karma Yoga (Yoga da ação – ação desapegada do ego), Hatha Yoga (Yoga das ‘forças’: união ou harmonia das ou forças/ polaridades sol/lua – masculino e feminino), Tantra yoga, Shakti Yoga (Yoga do poder ou do princípio feminino) e seus paralelos com a sabedoria oriental que deu origem ao Bon, Budismo, Taoísmo e afins (Xamanismo – siberiano, tolteka, huna, druidismo, estudos da psicologia oriental e ocidental Junguiana, de Ken Wilber e outros, mitologia, teosofia, teurgia, Kaballah) – Tradição e transmissão
  4. - Aplicação destes sistemas na atualidade – o ser humano e seu mundo em transformação
  5. - Consciência Plena e Espiritualidade: Transformando energia em consciência
  6. - Compreendendo: Autocosnciência, Integração do poder-sabedoria interior, despertar, libertação, Iluminação,  Autorealização, Paz e Plenitude Infinitas.
  7. - Dharma, as conhecidas leis herméticas e os sete princípios que permeiam toda a vida:  A base para entender os propósitos da vida humana (Mentalismo – tudo em tudo;  Dimensões (correspondência) Atemporalidade;  Insubstancialidade (vibração – som, luz e forma); . Interdependência, (não-eu, vacuidade, plenitude) – inferência – polaridade; Impermanência – ritmo (insatisfatoriedade 9 maneiras); Mecanismo de causa e efeito – karma; . Gênero: energia e consciência
  8. - O sistema do Yoga como base: sua importância, sua influência, sua abrangência,  adaptabilidade e abertura.
  9. - Definições do Yoga – (União, prática espiritual mística, um dos 6 sistemas filosóficos ou escolas clássicas de pensamento hindus (dárshanas) – Sobre a sabedoria, filosofia do yoga e a influência tanto da religiosidade indiana como do ‘foco no corpo’ da cultura ocidental; a relação com a psicologia ocidental, as comprovações científicas dos efeitos maravilhosos da meditação, das visualizações e dos benefícios da prática psicofísica.
  10.  - História do Yoga: . historiografia indiana em nove fases: Pré-Vêdica (6.500-4.500 a.C.), Vêdica (4.500-2.500 a.C.), Bramânica (2.500-1.500 a.C.), Pós-Vêdica ou ‘Upanishádica’ (1.500-1.000 a.C.), Pré-Clássica (1.000-100 a.C.), Clássica (100 a.C.–500 d.C.), Tântrica/Purânica (500-1300), Sectária (1.300-1.700) e Moderna (a partir de 1.700). -
  11. -Principais linhas ou métodos do Yoga:

12. - literaturas dos sistemas filosóficos: . base de estudo das Upaniṣads do Yoga e Bhagavadgita

13. – Dárshana (“pontos de vista”): escolas dualistas e não dualistas, ou sistemas metafísicos–filosóficos: 1-  Ásticas (com base nos Vedas): Vedanta, Mimansa, Vaisesika, Nyaya, Astanga Yoga, Samkhya. 2- Nasticas (ou heterodoxas): Charvaka, Jaina, Baudha

Raja Yoga O Yoga Real na origem e por Patanjali

Estudando o Yoga Sutras de Patanjali A sabedoria do Yoga, conhecido como Raja Yoga, é o sistema que abarca todos os aspectos do indivíduo – físico, mental, social e espiritual, porém trabalhando com a mente, aprendendo a ‘dominá-la’ e ‘religa-la’, ‘uni-la’com seu verdadeiro Eu. Raja Yoga é sabedoria que usa a ciência do autodomínio, autoconsciência objetivando a consciência elevada.

  1. - Cosmogênese basica: O processos de Manifestação, Autoconsciência e Autorealização - Cosmologia (Maya, samsara, nirvana, origem do universo, a unidade, planos de existência, polaridade, manifestação)
  2. - Compreendendo: O corpo, a personalidade, a mente, o Ego, a Alma, o Eu e a Consciência Plena — Consciente / inconsciente – os níveis de consiência: Os três aspectos do Ser – consciente, subconsciente, supra-consciente -Interação dos três Eus no mundo onírico
  3. - O Eu, o Outro, o Mundo; a verdade relativa; as realidades experiênciadas e a realidade Absoluta
  4. - Anatomia sutil: corpos sutis – veículos, invólucros da consciência (shaptakaya – koshas)  , centros de energia (chakras), canais de energia (nadis), energias sutis e supra sutis.
  5. - Sutras de Patanjali na interpretação de Vivekananda, Rohit Mehta e B.K.S. Iyengar: Técnicas e métodos do Raja Yoga: oito passos que compõem o sistema de Patañjali – Despertando o Poder-Sabedoria Interior: Yoga Sutra de Patáñjali: quatro capítulos, intitulados pela ordem: Samadhi Pada (51 aforismos), Sadhana Pada (55 aforismos), Vibhuti Pada (55 aforismos) e Kaivalya Pada (34 aforismos) –(ou pode ser 196 sutras).
  6. - Métodos aplicados nestes sistemas: Meditação, asanas, movimentos psicofísicos energéticos, uso de ervas, visualizações, sintonizações, sugestões, afirmações, mantras  e outros.
  7. - Os fundamentos da prática:
    . Propósito: iniciativa, vontade e disciplina; Concentração e imaginação; Convicção: receptividade e trabalho incondicional – Fé; Senso de unicidade e interdependência. Amor etc.
  8. -  Práticas externas ou preparatórias do Raja Yoga: -Ética – desenvolvendo virtudes: Yama – disciplina – antídotos para os condicionamentos individuais e sociais, Niyama – autodomínio – Padrões comportamentais internos e externos para autopurificação. B-Despertando e direcionando energia: Asana – ‘assento onde repousa o yogui’ – São as posturas psicofísicas que conferem firmeza e estabilidade ao corpo e à mente, Pranayama - Controle e expansão da energia vital, prana.
  9. . Praticas Internas ou meditativas do Raja Yoga: - Controle da mente: Pratyahara – Libertação da mente do jugo dos sentidos e das formas externas, estado de relaxamento profundo e consciente, preparatório para a meditação, Dharana – Atenção extrema, ou concentração, D-Transcendendo a mente: Dhyana - Concentração extrema, ou meditação. Enfim o ápice da atenção, Samadhi - Iluminação ou a manutenção desse estado de pura consciência (dharana, dhyana e samadhi= samyama)
  10. - A estrutura da mente e os mecanismos de identificação. Padrões mentais (samskaras), . A plena atenção, estar presente no agora .
  11. - Tipos de meditação: Meditação reflexiva, contemplativa e estabilizadora: (vipassana, samatha)
  12. - Sobre a Mente: a estrutura da mente e seus mecanismos de identificação.
  13. – Métodos de despertar -
  14. - Os sete compromissos do caminho do despertar
  15. - processo do despertar – As virtudes da mente
  16. - Métodos de Meditação, domínio e transcendência da mente
  17. - As qualidades essenciais da prática de compreender a mente
  18. . Os poderes da prática de integrar a mente
  19. . Os poderes da prática de libertar a mente (os  poderes do discípulo)
  20. .  Os obstáculos da meditação
  21. - As práticas do libertar a mente
  22. – Aprofundamento das técnicas de Meditação
  23. - As duas dimensões do Ser: O manifesto, O Não-manifesto
Prana Yoga (Hatha Yoga essencial, com ênfase Iyengar): (quem já tiver formação em Hatha Yoga não precisa realizar esta parte – quem também estiver no curso livre e já praticar tanto no num ou outra escola também pode optar por não fazer)

Prana é vida, vigor, energia, é a energia vital. Prana Yoga é uma modalidade parente do Hatha Yoga original, onde prioriza-se a harmonia bioenergética, praticas corporais que trabalham a energia, chamada de Prana. Estas práticas incluem Asanas (posturas),  pranayama, bhandas, dristhi, mudras etc que são utilizdas para promover, controlar e direcionar o fluxo do prana (energia sutil vital). Através da plena atenção na ação, a energia já vai se harmonizando. A pessoa deve estar totalmente presente em todas estas práticas, isso é o que mais efetiva a prática.

- Asanas (Posturas) – Asanas principais do Yoga para auxílio no processo das práticas meditativas e movimentos para purificação para melhoria da saúde – baseado método Iyengar (de BKS Iyengar – obs: são ensinadas apenas àquelas posturas que ajudam na saúde, bem estar e facilitação para a meditação, não são ensinadas posturas muito complexas, desnecessárias ao processo real do verdadeiro Yoga)

- Sobre alinhamento postural, consciência corporal, plena atenção na ação, flexibilidade, fortalecimento,
- Sobre força de vontade, determinação, concentração e autoconfiança.
- Bhandas (travas, fechaduras internas do corpo),
- Dristhi (focalização do olhar),
- Mudras (selo, senha ou chave, gestos simbólicos feito com as mãos)
- Pranayama (controle da energia pela respiração)
- Sequencias de movimentos para harmonização dos elementos sutis
- Anatomia Física (sistema endócrino, neurológico como principal e os outros) e sutil (chakras, nadis, marmas, corpos sutis),  Fisiologia e Cinesiologia básicos (estudo dos movimentos do corpo humano para o hatha yoga)
Houve uma época que a sabedoria do Yoga estava meio degenerada, já havia uma mesclagem com religiões, perdendo muitas vezes sua essência e também, ela deveria ser trazida para o ocidente, mas devido a má interpretação deste conhecimento e práticas, e principalmente de interesses bem diferentes e muitas vezes opostos ao do verdadeiro Yoga por parte de muitos que tinham poder, está ‘missão’ estava comprometida. Desta forma uma espécie de plano B, foi posto em prática: levar, primeiramente, as práticas do yoga para o ocidente, mas sem nenhum tipo de teoria que pudesse conflitar com crenças já arraigadas. Este foi o movimento popular do Yoga. É claro que houve também um movimento mais fechado, mas para poucos, somente para àqueles que tinham o verdadeiro propósito de Autoconsciência e Autorealização. Estas praticas (do Hatha Yoga) apareceram tardiamente nos ensinamentos da Sabedoria Perene que foi chamada de Yoga depois.  Já naquela época (acredita-se uns 3000 anos e mais fortemente necessitava de práticas  para que pudesse ‘suportar’ práticas mentais e para despertar de consciência. Foi assim que os asanas e o Hatha Yoga floresceu. Desta forma, chegaram britânicos e outros europeus e também alguns asiáticos à Índia que foram introduzidos nos sistemas de disciplinas ocidentais e com a adaptação para levar ao ocidente aumentaram as possibilidades de uso das técnicas do Hatha Yoga. Desta forma que houve a popularização somente de um grupo de práticas que estava mais ligada a saúde do corpo (físico e etérico). Asanas são popularmente conhecidos como as posturas físicas do yoga que acabou por, ao longo das últimas décadas criando a idéia de que praticar yoga é somente praticar asana, relaxamento, com exercícios de respiração para acalmar, etc a ainda que praticar asana é realizar posturas físicas, alongar o corpo e fortalecê-lo. Realmente, a prática das posturas físicas do yoga traz excelentes resultados no alinhamento do corpo, a flexibilização dos músculos, a saúde melhora, assim como a disposição física, mental e emocional. Porém, tradicionalmente os asanas têm outros significados e uma importância mais ampla, como definido nos Yoga Sutras do Patañjali (o codificador do Yoga), como conforto e estabilidade. Além disso o Asana é antes de tudo, a postura psíquica e mental para o treino das praticas do Yoga. No Yoga original, o principal objetivo de asana é postura adequada para meditação (estado de plena consciência) ou postura que proporciona introspecção. Neste sentido, asana também pode ser sinônimo de assento ou base para a prática do yoga. Há também indícios do Hatha Yoga na época que chamamos de ‘Idade Média’ e tinha um objetivo de completar as lições de Patañjali para facilitar a prática e também as técnicas do Tantra. Isso resultou em diversificação das técnicas usadas para o autoconhecimento e elevação espiritual. Nos Yoga Sutras havia poucas informações sobre o papel do corpo e das energias sutis (prana) no processo do yoga, assim o Hatha Yoga completa. Assim surgiu técnicas de manipulação do corpo, readaptou-se as técnicas da energia vital (prana) e da mente.
- Inclui básico de Kundalini Yoga e Krya Yoga
Bhakti Yoga - Bhakti Karuna Yoga
No sânscrito e velho Hindi, o substantivo bhakti é derivado do verbo raiz bhaj, cujos significados incluem “a partilhar”, “pertencer” e “adorar”.  Também ocorre em compostos em que significa “ser uma parte “e” o que pertence ou está contida em outra coisa “.  Devoção “como uma tradução não transmite completamente os aspectos mais importantes de bhakti que é o sentido de participação que é fundamental para a relação com os seres e aspectos divinos, e sentimento intenso que é mais tipicamente associada com a palavra “amor”. Uma interpretação advaita de bhakti é a de realização da união com a natureza essencial da realidade como Ananda, ou bem-aventurança divina. Uma tradução mais literal de bhakti é “participação”. O sábio Narada define Bhakti como “amor intenso” pela Divindade (A grande Consciência Cósmica). Do mesmo modo sábio Shandilya define Bhakti como “atração intensa” pela Divindade; ou seja estar totalmente receptivo a Consciência, Sabedoria Cósmica. Aquele que pratica bhakti é chamado de bhakta.
Karuna  significa qualquer ação que é tomada para diminuir o sofrimento ou noção de insatisfação dos outros e também pode ser traduzido como “ação compassiva”. Karuna é a qualidade motivadora de todos os seres iluminados trabalhando para acabar com o sofrimento na Terra. Ação compassiva em direção a si mesmo e todos os seres vivos
Karuna e Mettā são complementares: Karuna é o desejo de remover dano e sofrimento(ahita- dukkha -apanaya-Kamata: insatisfação) de outras pessoas, enquanto Mettā é o desejo de trazer o bem-estar e felicidade.
Karma Yoga – Yoga da ação, é uma forma de yoga de disciplina de integração pela ação. É o processo de alcançar a perfeição em toda a ação. Karma Yoga é muitas vezes entendida como uma yoga do serviço ou trabalho abnegado (altruísta) ou seja com total desapego pelo fruto da ação e pelas limitações para a ação.
- Sobre o verdadeiro Amor, o Amor altruísta, a entrega ao nosso verdadeiro Eu, a Unidade e a Totalidade.   Bhakti é um intenso amor divino que se expande pelo amor a todos os seres. Bhakti é devoção através do Amor,Esta é a forma mais simples e mais natural para se alcançar a Auto-Realização. Vai além de qualquer religião ou crença numa forma específica divina.

Jnana Yoga e Advaita: A Sabedoria da não dualidade

Jnana Yoga é sistema de yoga que tem como caminho o conhecimento, ou melhor sabedoria, o discernimento intelectual e abstrato. É a sabedoria vivenciada dentro de um ser. Jnana Yoga é Yoga do Discernimento – A Sabedoria da Não Dualidade. Seu propósito é reorientar a mente e as emoções para uma percepção mais real e verdadeira de si mesmo, da vida e do mundo, para que se possa vivenciar a Realidade do Ser, da Alma e do Espírito ou Consciência Universal, a Verdade Única, que é pré-existente e imutável.Vai além de entender uma filosofia, de decorar escrituras, vai além da mente racional ou analítica e exige o desenvolvimento da mente de síntese.

  1. - Histórico Vedanta ( “a parte final (ou conclusão) dos Vedas”),  Upanishads, o Sábio Shankara –  Advaita (“não-dualidade”),
    -  Estudos dos textos sobre Jnana Yoga ( incluindo Advaita Vedanta de Shankaracharya,  Ramana Maharshi, Ramakrishna, Vivekananda e Yoga Integral de Sri Aroubindo):
  2. - A base da Sabedoria do Jnana e Advaita: o Absoluto (Brahma - Ser-Consciência-Beatitude - sat-chit-ananda- ) ,  sua imutabilidade, a infinitude e insubstancialidade,
    . a  Realidade, a irrealidade do mundo (e de toda a ‘criação’), o poder da ilusão (maya).
    .  A negatividade da criação, a não existência do “externo ou outro” ou “diferente” do Absoluto.
    . A transitoriedade, a limitação e a  irrealidade do mundo, dos fenômenos e dos seres.
    . ”a alma individual (jiva) – apesar de ser parte do mundo ilusório –  não é diferente do absoluto“.
    . a “testemunha” que há por trás da  (a Consciência) alma individual
    . a ilusão, ou ignorância espiritual, não é real, mas apenas uma falsa-percepção
    . Maya (ilusão cósmica) como causa do surgimento do universo
    . avidya (ignorância individual) como responsável por o Absoluto Ser parecer ser uma multidão de almas individuais (jivas).
    .  “Através da ação inexplicável da ignorância, o Absoluto ou Eu Real (Brahman ou Atman), cuja natureza é Ser-Consciência-Beatitude, encontra-se preso em um complexo corpo-mente, acreditando-se e vivendo como se fosse um ser limitado e individual, enquanto que na verdade é apenas existência impessoal e eterna.”
    .  sonho, engano e miragem de tudo que existe.
  3. - O obstáculo principal à liberação da alma (moksha ou mukti): a  falsa identificação do eu com o corpo-mente -  a ilusão de que o corpo-mente é “eu” ou “meu”, que estamos circunscritos a ele.
    . a remoção dessa ilusão  obtida pelo processo inverso de “des-superimposição”. Para isso o aspirante à iluminação deve desenvolver as seguintes características:
    . Discernimento espiritual (viveka): saber separar o Real do irreal, o eterno do transitório, e ter a convicção de que apenas o Absoluto é real e tudo o resto é ilusão;
    .  Desapego: (vairagya): não desejar nada, nem neste mundo nem em vindouros. Não buscar a felicidade em nada que não seja o Eu Real;
    .  Seis virtudes: serenidade, autocontrole, cessação das atividades, equanimidade, concentração mental, e confiança (nos ensinamentos sobre a Realidade);
    .  Desejo forte pela libertação (mumukshutva): desejar iluminação de forma equivocada, como se isso fosse realmente a exclusão de todo o ‘resto’.
    . refletir sobre a Realidade (o Absoluto)  até convencer-se completamente do seu conteúdo (manana) e meditar sobre ela (nididhyasana) até que a ilusão de ser um corpo-mente desapareça (samadhi).
    . rejeitar a atenção a qualquer coisa que não seja o Eu Real, através da prática neti, neti, que literalmente significa “não isto, não isto”. Também, através da repetição das chamadas “grandes frases” (mahavakyas), eliminar a falsa impressão de que somos uma personalidade ou individualidade e descobrir nosso verdadeiro ser.

Yogacara ou Yogacarya / Yogacharya (yoga prática) (meditação) ou Vijñanavada (o Caminho da Consciência/mente) – Sintetizando o processo

Yogacara (em sânscrito, literalmente: “a prática do yoga”, “aquele cuja prática é yoga”, “caminho da união pela prática”, “caminho particular samadhi”, “comportamento de yogui”) é uma influente escola de sabedoria oriental, principalmente budista,  de psicologia oriental enfatizando a fenomenologia  através do foco interior de práticas de meditação e yoga meditativa.

- As profundidades da Plena Atenção: TRANSCENDÊNCIA

Os textos mais importantes para a tradição Yogacara (Yoga prática – pratica no sentido de meditação) original são os “Cinco tratados de Maitreya” . Estes textos foram escritos pela grande sábio mestre Asanga Bodhisattva através dos ensinamentos de seu Mestre Maitreya, sendo Assanga o fundador real da escola Yogacra escola, no século IV d.C.

Os livros conhecidos são os seguintes: (há divergências nos nomes traduzidos)

- Ornamento à Clara Realização (Abhisamaya-alankara , Tibetano: mNgon-par-rtogs Pa’i rgyan)

- Ornamento para os Sutras do Grande Veículo (Mahāyāna-sutra alankara , Tib. theg-pa chen-po’i mdo-sde’i rgyan)

- Continuum Sublime  (Ratna-gotra-vibhāga , Tib. theg-pa chen-po rgyud bla-ma’i bstan)

- Distinguindo Fenômenos e Ser Puro (Dharma-Dharmata vibhāga , Tib. chos-dang-chos nyid rnam-par ‘byed-pa)

- Distinguindo o Meio dos Extremos (Madhyānta-vibhāga , Tib. dbus-dang mtha ‘rnam-par’ byed-pa)

Vasubandhu foi também um sábio e meio-irmão de Assanga e escreveu três textos fundamentais da Yogacara:

- Trisvabhāva-Nirdesa (Tratado sobre as três naturezas, Tib. Rang-bzhin gsum nges-par bstan)

- Viṃśaṭikā-karika (Tratado em Vinte Estâncias)

- Triṃśikaikā-karika (Tratado de Trinta Estâncias)

Ele também escreveu um importante comentário sobre a Madhyantavibhaṅga.

Asanga também teve acesso ao ensinamento esotérico (oculto ou secreto) de Maitreya que foi transmitido apenas para discípulos mais avançados (os livros secretos de Maitreya).

O Grande Maitreya

Maitreya (sânscrito - benevolente, bondoso, construtor, arquiteto, sem igual, três mundos ou matérias, três mães, Mitra - amigo) em Tibetano é Jamgon ou Jampa (ou Byams Pa), o rei de Tushita (ou Terra Pura de Tushita / Shambalha), em pali Metteyya ( amigo, a língua dos primeiros escritos budistas).  Em alguns literaturas budistas, como o Sutra Amitabha e o Sutra de Lótus , ele ou ela é referida como Ajita Bodhisattva. Budha significa um ser Iluminado. Em diversas obras antigas de Sabedoria Perene, na Índia e no Tibet, está claramente exposto que Maitreya seria o próximo Budha instrutor após Buda Shakyamuni (Sidharta Gautama como humano).  Somente a época é divergente entre os diversos textos, mas sabe-se que Maitreya viria também, como Budha Shakyamuni, porém de outra forma, para ensinar o puro dharma (os princípios ou leis universais e como estar em total sintonia ou, melhor, estar integrado a eles, ou seja, os processos de libertação e iluminação para os seres nesta era vindoura). Os livros escritos por Assanga de Maitreya contém a base destes ensinamentos.

Shakyamuni deu ensinamentos que são compostos de dois tipos: o profundo e o vasto. O Buda ensinou o vasto a Maitreya, que depois ensinou a Asanga, que então ensinou o seu irmão Vasubandhu, e assim por diante.

O conceito de amizade, fraternidade é muito importante no Caminho ou Yoga. Kalyana-mittatā (Pali ; Skt. :-mitratā) é um conceito de “amizade espiritual” dentro da vida comunitária, aplicável tanto aos relacionamentos entre professor e aluno, como entre os que se apoiam no Caminho. “Bom amigo”, “amigo virtuoso”, “nobre amigo” ou “amigo admirável” (Kalyana-mitta,-mitra). Este conceito esta relacionado também a Maitreya (Maitri é amigo em sanscrito)

Meditação na tradição Yogacara

Como o nome da escola sugere, a prática da meditação era central para a tradição Yogacara. Manual de Prática perscreve a prática da atenção plena do corpo, sentimentos, pensamentos e darmas (leis ou princípios universais, propósitos superiores) em si e dos outros, dos quais uma compreensão da não-diferenciação de si e do outro deve surgir. Este processo é conhecido na tradição Yogacara como “virando-se na base” (asraya-parāvrtti), a base sendo o alayavijnana ( a oitava e mais alta consciência).

 Jnana siginifica conhecimento real ou consciência não-dual e vajra, indestrutível como diamante e raio, yoga significa união com o absoluto, vazio luminoso ou plenitude, junção ou também disciplina, caminho para esta união. Assim Jnanavajra Yoga é a Yoga ou caminho do conhecimento ou consciência adamantina, ou indestrutível, radiante ou Consciência Luminosa – Yoga da Consciência Plena ou Plenitude.

As bases teóricas e práticas desta fase:

. combinando com textos de Krishnamurti, Joko Beck, Thich Nhat Hanh e dos filósofos ocidentais Eckart Tollen e Ken Wilber (que integra uma visão moderna dos ensinamentos sobre libertação relacionados a esta abordagem)

. estudo dos 5 livros do grande sábio bodhisatwa Assanga / Maitreya que foram a base para o Lamrim (O Caminho Completo para a Libertação e Iluminação – escrito pelo sábio Atisha)

. integrando estudos sobre Meditação, a mente e o cérebro e sobre a Meditação Integrativa (prática de meditação que integra samatha, vipassana para integração da sabedoria interior e visualização ativa e criativa para orientação e integração da ‘energia’ ou poder interior, que são a base ou força energética para poder realizar com êxito as meditações de plena atenção e insight

Vajra Yoga 

(obs: esta parte corresponde ao que se tornou mais oculto dentro do Yoga e Tantra original, Sabedoria Egípcia, Taoísmo esotérico (interno e não o exoterismo – externo) etc
- Cosmogenese: Logos, Ciclos de involução e evolução: Sistema, Cadeias, Rondas, Globos, – Hierarquias superiores – Arquétipos
- A fonte de toda energia (as mascaras de Deus): os arquétipos
- Entendendo a verdadeira ‘Fraternidade Branca’ ou Confraternidade Cósmica e Universal e o plano evolutivo
- Antropogênese: O seres humanos, ‘Raças raízes’ (Adâmicos, Hiperbóreos, Lêmurianos, Atlantes, Arianos,etc), ‘subraças’, famílas raciais etc (sobre os ‘tipos’ humanos conforme origem)
- Espirito, Mônada, Alma, Alma Grupo etc
- Os Veículos da Consciência e Planos de Manifestação – A mente e seus níveis de manifestação (densa, sutil, muito sutil: 7 corpos)
- O ciclo da vida e da morte
- A lei da Evolução
- As sete grandes Leis Universais
- Mestres a fontes da Sabedoria Iniciática
- A História das religiões e as linhas de sabedoria iniciática - As crenças modelando realidades – básico sobre a morte e o pós-morte (morte como conselheira)
- Os elementos sutis, Os Chakras, as Energias Sutis (avançado) - Os centros de energia/consciência – Conhecimento e domínio dos elementos e os chakras – ‘vibrações e centros de consciências que manifestam esses aspectos para concretização de objetivos materiais de prpósito superior, psíquicos e espirituais,
- Verdades convencionais e não convencionais
- A mente e seus níveis de manifestação (densa, sutil, muito sutil: 7 corpos)
- Roda da vida
- Conexão superior e conexão de proteção e OM e antakarana
- Fundamentos da prática (ambiente interior e exterior, roupas, higiene, propósito, altar, relaxamento, visualização, reflexão da experiência)
- entendendo a meditação ativa (ou na forma) e criativa do guia ou Eu interior
- Contemplações de poder; mantras e palavras de poder: os símbolos
- Yoga do sonho: despertando a consciência no plano dos sonhos e preparando o despertar no plano de vigília
- yogas corpo de luz e corpo vajra
- Símbolos e Yantras de proteção e defesa (OM – esfera azul, cruz cabalística, estrela de cinco pontas etc)
- Conexão com a egregora de proteção
- Sintonização com a alma: Antakarana -  Conexão com a egregora de centramento, a alma
- sobre o carma e o dharma (mais avançado)
- Conexão com o ‘templo’ interior – nosso ‘ambiente’ interiorou sagrado
- Palavras de poder – mantras e afirmações contemplativas para concretização de objetivos específicos
- Formas de consciência superior (Deus, deuses, avataras, santos, anjos, Budas…), o que são etc
- O conhecimento e empoderamento das dimensões interiores (sefiras, templos ou portais interiores) e dos aspectos divinos – arquétipos com consciência superior
- Sobre a morte e o pós-morte
- Sobre as iniciações espirituais
- Iniciação
- A Mente e seu domínio. Em busca do verdadeiro poder: O poder da mente - Krya Shakti
- As Sete Tônicas, 7 Raios e 7 forças (Shaktis)
- Os Propósitos coletivos e individuais
- Teurgia – Sintonização superior, símbolos, chaves iniciáticas - domínio da arte de sintonização – pujas ou ritualísticas (conexão com as consciências e energias/forças/poderes superiores – internos e cósmicos)
- os 7 fundamentos para Teurgia
- O poder dos símbolos e arquétipos - A fonte de toda energia (as ‘mascaras’ de Deus) : os arquétipos
- Sintonização-conexão com as hierarquia dos raios – O conhecimento e empoderamento das consciências e poderes cósmicos
- Bases da  Astrologia Esotérica ou Astrosofia
- Taumaturgia – ativando o poder de cura (básico)

Mandala Yoga e Diksha -
- Yoga ou União com o Eu Superior e Plenitude Cósmica através da união com os gurpos, através da cooperação com outros para chegar no objetivo comum.
- O que são e como funcionam os Círculos de confraternidade – Círculos de Meditação e Cura
- Comportamento em grupo, comportamento circular, percepção individuada, porém conjugada com as metas da coletividade para fins superiores.
- o que são e como funciona a Iniciação ou ‘empoderamento’.
- Pratica da Iniciação

Práticas Permanentes (presentes em todos nos módulos):

- Meditação Integrativa (ver link: www.meditacao.org.br/): Meditações de energia e de plena atenção: Meditação Samatha, Meditação Vipassana, Visualização diretiva, ativa, criativa, contemplações (meditações contemplativas).

- Meditação Contemplativa – sabedoria do coração – Complemento do estudo de Nyamas e Yamas - Perfeições – Paramitas, os Aspectos do poder-sabedoria primordial Sabedorias, as Virtudes e competências das Perfeições, o Poder da Perfeição ou sabedoria : – Compaixão, – Amor Incondicional, Percepção Plena,  Harmonia,  Conhecimento,  Altruísmo, Sintonia Interior, Onisciência (Onipresença) / e estudo das Obstruções às Perfeições

- Meditação de Visualização Ativa e Criativa- Complemento do estudos de Pranayamas (domínio da energia) e geral sobre Raja Yoga e também relacionados a Tantra Yoga – Como meditar no processo de conhecer, cultivar e libertar a mente através da energia: . Yoga dos elementos sutis, de purificação dos canais e chakras, yoga dos chakras (centros de transformação de energia) e corpos sutis, Yoga do Eu ou Guia Interior (yogas de nível básico ),

. Meditação de Plena Atenção – sabedoria da mente sutil e supra sutil – Complemento sobre Dharana, Dhyana e Samadhy -Como meditar no processo de conhecer, cultivar e libertar a mente através do insight : A plena atenção e sua prática,   Meditação estabilizadora,   Meditação reflexiva,   Meditação contemplativa.

. Exercícios de respiração e controle de energia (pranayama, asanas etc) básicos mais importantes para auxílio nas práticas meditativas, saúde física e mental.

Metodologia: 

- Brahma Yoga Vidya é um curso de 500 hs dividido em 8  Módulos.

- O curso básico é de 18 meses (1,5 anos), dividido em partes ou Níveis -I a II (3 encontros) – certificado de Instrutor- Tempo:  250hs para o curso básico (para instrutores acrescenta-se 22 hs de treinamento em meditação) .

- Os demais 18 meses corresponde o avançado e são divididos em partes ou Níveis IV a VIII (3 encontros) –  Tempo:  250hs (para professores acrescenta-se 22 hs de treinamento em meditação) .

- O processo completo envolve 8 meditações progressivas, sendo a última ou oitava meditação, aquela que deverá ser utilizada continuadamente após o curso. O curso básico mais o avançado completam 700hs  (para instrutores acrescenta-se 50 hs de treinamento em meditação + ‘iniciação’) para o curso básico (com certificado de professor)

Certificado (Formação de Instrutor):

- Todos os alunos que frequentarem 85% do curso (sendo, 75% dos encontros presenciais) terão certificado após o curso, porém para Certificado de Instrutor em Brahma Yoga Vidya - Sabedoria da Consciência e Meditação,  - é necessário o complemento ter participado de no mínimo 22 horas de prática em retiros especiais realizados durante o processo do curso para todos. 250hs – 18 meses

Certificado (Formação de Professor):

- Todos os alunos que frequentarem 85% do curso (sendo, 75% dos encontros presenciais) terão certificado após o curso, porém para Certificado de Professor em Brahma Yoga Vidya - Sabedoria da Consciência e Meditação: Raja Yoga, Jnana Yoga, Bhakti Yoga, Vajra Yoga e Yoga Integrativa,  - é necessário ter participado de no mínimo 22 horas de prática em retiros especiais realizados durante o processo do curso para todos. 700 hs -36 meses

Cadastrando para o curso – Click no link: CADASTRO CURSOS NUMIN

mais……

* Sobre a Suddha Dharma Mandalam

Suddha literalmente significa puro ou imaculado e refere-se ao Parabrahman, o Absoluto, a causa sem causa, a raiz sem raiz de tudo o que existe.

Dharma pode ser entendido como Lei eterna ou o modo de vida, o aspecto universal e auspicioso de conhecimento, vontade, ação e sua síntese e é prescrito para a humanidade com o único propósito de ajudá-la a evoluir materialmente e espiritualmente.

Mandalam – vem de Mandala que significa círculo (como um circulo de sabedoria, de realizações superiores uma Confraternidade)

Suddha Dharma Mandalam (SDM) é mais que uma ‘organização’ universal, é um Círculo ou Confraternidade conhecida na antiguidade como a grande Hierarquia Branca do Himalaia (ou Confraria Branca de  Caximira ou Confraternidade de Srinagar, Ladak, Índia) ou também conhecida como o Mundo Cósmico de Administração e Orientação. Suas raízes foram estabelecidas há mais de 12 mil anos atrás – o período inicial de nossa era atual – Kali Yuga (idade da transformação – destruição para construção). O único objectivo anunciado era o de facilitar um acesso mais rápido da humanidade ao caminho da libertação e iluminação divina, necessário ao atual momento evolutivo. Atualmente esta Confraternidade (a original verdadeira…) tem uma nova ‘porta de comunicação’, como poderíamos dizer, em outro lugar, bem distante e mais ao sul e mais ao oeste… e é conhecida também por Confraternidade Jina da Serra Matatu-Araracanga, é nesta Confraria Iniciática no precioso interior do Monte Ararat (também há outra ‘porta’ ainda mais ao sul…) funcionando como um grande Farol do Futuro, que vivem os Seres ou Grandes ‘Chefes’ e Construtores  das Civilizações vindouras, que muito trabalharam para a  construção do que se chama de Nova Era.

Essas mudanças acontecem porque a evolução segue um ciclo e um caminho que vai do norte oriental para o sul ocidental. Assim, a missão dessa Confraternidade, que é justamente ajudar promover esta evolução, instruindo os seres da Terra, vai caminhando junto, mesmo que sua localização essencial seja no centro interno…

Uma reorganização foi uma necessidade devido à chegada do Kali Yuga quando a humanidade tinha alcançado uma época crítica: . Fortes desvios comportamentais das pessoas e menos ‘fé’ na ‘divindade’.

Suddha Dharma é diferente das escolas de Yoga na Índia ou em outros países, mas é algo que veio antes e influenciou estas escolas. É exclusivamente esotérica (não exotérica, ou seja ela é interna, não externa), não-sectária e seu objetivo é proteger todos os seres humanos nascidos neste mundo e fornecer-lhes as Leis Divinas de vida para viver bem neste mundo, libertar-se, iluminar-se ou seja a Autoconsciência e Autorealização. Essas leis são destinadas a ajudá-los a avançar no caminho rumo a uma espiritualização (ou conscientização) progressiva, um contato progressivo com o Divino (Brahmam – Absoluto – Totalidade e Unidade) e para uma existência material pura. Um dos grandes objetivos do Círculo ou Confraternidade é oferecer o ensino de Yoga Brahma Vidya (a Ciência Sintética do Absoluto ou Sabedoria Síntese Absoluta ou Plena) para todos os seres humanos, sem qualquer distinção de cor, sexo ou quaisquer diferenças sectárias. Não é uma religião, mas uma Sabedoria espiritualista (ou melhor, Consciencialista) e iniciática.

O espiritual, o psiquico e os aspectos materiais da vida não podem ser separados, pois eles coexistem eternamente …. os humanos tem um corpo (um veículo físico, emocional psíquico e mental) que deve chegar ao contacto com o verdadeiro ‘Eu’ Divino pessoal (Atman) e também a Consciência Plena. Para chegar ao contacto com este Eu Divino, a disciplina ensinada neste Mandalam (Círculo – Organização) facilita e é agradável, garantindo resultados positivos superiores.

. Nas constantes evoluções e transformações, Espírito, matéria e energia estão presentes em todos os seres e todas as coisas que existem no universo. Novas formas ganham vida em todos os lugares o tempo todo (por toda eternidade), e esta é a maneira que a divindade manifesta o seu poder e consciência em toda parte.

Os principais objetivos do Suddha Dharma são:

·  estudar a natureza do ser humano, das hierarquias superiores e do Universo;
· estudar a posição do ser humano sobre a existência cósmica;
· ajudar o ser humano a coordenar a sua vida interna e externa e, assim, realizar o objetivo supremo através de práticas  específicas de autoconhecimento e autorealização e;
· oferecer a “Yoga Brahman Vidya” ou sabedoria síntese – ou integrada’ do absoluto, de forma a ser útil a todos os seres humanos, sem qualquer distinção, como posição social (casta), raça, sexo ou quaisquer diferenças sectária.
. ajudar a promover a confraternidade universal

Princípios básicos:

1 – Paz
2 – Veracidade
3 –  Serviço abnegado à humanidade
4 – Mente Meditativa, presente, em plena atenção (o conhecido ‘orar e vigiar’)

5- Sabedoria e virtude (poder interior)

6- Integração, libertação – Yoga

7- Confraternidade universal – iluminação / realização suprema

Considera como verdades fundamentais:

1) A imanência da Vida Una e Plena de Brahmãn;

2) A Confraternidade Universal;

3) A existência de uma Hierarquia de luz (Consciência e Poder) incumbida de guiar a Humanidade.

4) A Existência das Leis Absolutas e dos princípios essenciais

Suddha Dharma Mandalam prepara homens e mulheres para o treinamento básico do yoga real (o Brahman Yoga Vidya) que para poder receber iniciações superiores (empoderamentos) ou deekshas, ​​que é a transferência de uma ‘partícula’ Divina ao discípulo, que será realizar para o discipulado em níveis mais elevados, no Supremo Suddha Dharma , de forma não ‘institucional’.

(obs: A verdadeira Suddha Dharma Mandalam, na atualidade, tem um posto – não aberto, mas ainda como uma Confraternidade (Círculo de Círculos…) discreta e até mesmo fechada – muito importante no Brasil – , no centro entre três grandes capitais do país. Existem também institucionalizações da Suddha Dharma Mandalam (dissidências da verdadeira Suddha Dharma) com suas representações por todo o mundo e, mesmo não sendo a Suddha Dharma Mandalam original,  nem suas representações originais, fazem um trabalho também importante para humanidade, um trabalho de preparação ou ‘conscientização preparatória’. Apesar de existir algumas instituições, as vezes com o próprio nome da SDM, a verdadeira Suddha Dharma Mandalam não é institucionalizada e seus conhecimentos não são ‘patenteados’ e nem excluivos. O acesso a SDM pode – ou não – ser auxiliado por um mestre, mas não depende dele e sim do nível de consciência e/ou de propósito espiritual do discípulo. Uma iniciação formal não garante este acesso.)

 - Cadastro para o curso – Click no link: CADASTRO CURSOS NUMIN


curso de formação de professores de yoga curso de formacao de instrutores de yoga curso de capacitacao de professores de yoga

 Leave a Reply

(required)

(required)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

© 2012 Meditação Instituto de Meditação - visualização samata, vipassana, pranayama, controle da mente, qualidade de vida Suffusion theme by Sayontan Sinha